Octavia Spencer brilha em ‘Ma’, mais um terror psicológico da Blumhouse

Na nova aposta de thriller em tons de terror psicológico produzido pela Blumhouse, Ma, uma mulher solitária e doce chamada Sue Ann (Octavia Spencer) faz amizade com um grupo de adolescentes, compra bebidas para eles e decide deixá-los se divertir no porão da sua casa. Os incautos jovens pensam que a sua sorte não poderia ser melhor, só que aos poucos Sue Ann vai se revelando uma verdadeira stalker e se infiltrando em suas vidas. Para o horror dos adolescentes, ela até mesmo faz amizade com seus pais. O filme é assinado por Tate Taylor (A Garota no Trem). Para quem não está ligando o nome à pessoa, ele já dirigiu anteriormente Octavia Spencer em Histórias Cruzadas, de 2011, que inclusive deu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante para a artista.

A Blumhouse Productions, comandada por Jason Blum, descobriu uma mina de ouro em Hollywood quando lançou Atividade Paranormal em 2007. O filme custou meros 350 mil dólares e rendeu 193 milhões de bilheteria mundial. A tática deles passou a ser, então, produzir filmes de terror de baixo orçamento que mesmo que não se tornem mega êxitos, pelo menos cobrem o valor de custo e dão algum lucrinho. Daí surgiu as sequências de Atividade Paranormal, as séries Sobrenatural, A Entidade, Uma Noite de Crime, Ouija, A Morte te dá Parabéns, entre outros pequenos sucessos que apelam para nossos medos mais secretos.

A Blumhouse é também co-produtora de filmes mais autorais como os de Jordan Peele: Nós (2019) e Corra! (2017), Infiltrado na Klan (2019) de Spike Lee e Whiplash (2014) de Damien Chazelle, os três últimos indicados ao Oscar de Melhor Filme, além do surpreendente O Presente (2015), do ator convertido em diretor Joel Edgerton. O cineasta indiano M. Night Syamalan (O Sexto Sentido, Sinais) também ganhou uma sobrevida em Hollywood pelas mãos da produtora. Após inúmeros fracassos, ele lançou A Visita, que fez considerável sucesso financeiro em 2015, ganhou confiança, pôde assim exibir na tela Fragmentado (2017) e Vidro (2019) e concluir sua trilogia de heróis mundanos que havia começado em 2001 com Corpo Fechado. Nunca espero muito dos blumthrillers, por que o gênero não é meu favorito. Porém, admiro a perspicácia com que a produtora conduz seus negócios.

A respeito de Ma – produzido com apenas cinco milhões de dólares (uma miséria para os padrões de Hollywood) – digo que Octavia Spencer, totalmente fora de sua zona de conforto, está ótima. O filme começa muito lento para criar a ambientação, e vai aos poucos ficando mais dark. A primeira vez que encontramos a antagonista é muito mais tarde do que você esperaria. Os adolescentes tem contornos clichês sem muita dimensão. Sue Ann, ao contrário, é criada até com flashbacks que mostram seu passado terrível, para justificar suas ações, exibindo várias das suas experiências ruins no ensino médio. O filme em si, que é mais de suspense que terror, deixa você desconfortável de uma forma divertida o tempo todo, o que é bom. No mais, é isso. Próximo.

Nota: 5,5/10

Trailer:

Anúncios


Categorias:Cinema, Críticas

Tags:, , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: